Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Exasperação financiada


Amigos e amigas.
Permitam à classe alta a fama, os holofotes, o status e a ilusão do poder e ela fará com perfeição o trabalho dos Grandes Parasitas, que é manter a classe média essencialmente no limbo e exasperar a classe baixa. Ou seja, batalhas inglórias com objetivos torpes.

Os “médios” invejarão os “altos” e constantemente irão almejar “ascender” a esse nível. Ao mesmo tempo, serão acossados pela classe baixa que, sendo esmagadora maioria e estando tão próxima à classe média, também almeja o topo social, mas de maneira mais desesperada, urgente e avassaladora, pelo simples fato de ser diuturnamente espezinhada e privada até do básico.

Tamanhas privações da classe baixa e as opressões que sofre a média são verdadeiras bombas-relógio, sordidamente instaladas, mantidas e controladas pelos Grandes Parasitas. Impostos, alienação, justiça injusta, apedeutismo, miséria, desemprego, doenças, violência e, é claro e principalmente, a fome são imputadas às classes C, D e E, ocupando cada momento de suas vidas, mantendo-as inertes e fazendo-as agir instintivamente (como irracionais) para garantir a própria sobrevivência. Migalhas de alegria e satisfação são suficientes para mantê-las na rédea curta.

A classe média também é assombrada constantemente pelos fantasmas da classe baixa, mas como ela tem mais condições de acesso à cultura, à nutrição, à diversão, à moradia, ao emprego e à segurança, é necessária uma campanha mais hipócrita: a perversão de valores. Investindo na ostentação da classe alta, os Grandes Parasitas seduzem as de baixo com glamour, luxo desenfreado, erotismo e sonhos de grandeza e de consumo. Mantém a grande maioria hipnotizada com tais “maravilhas” e bastante frustrada com as enormes dificuldades para se “chegar lá”.

Para conseguir tal “feito”, você precisa se nivelar a eles, pervertendo ou, até mesmo, abandonando totalmente sua moral. Lennon escreveu quando ainda era um Beatle: “Eles dizem que ainda há lugar no topo. Mas, primeiro, você precisa aprender a sorrir enquanto mata”. Por esta e tantas outras foi que a CIA e o FBI o caçaram por tantos anos.

Particularmente, eu amo, cultivo e cultuo a simplicidade lúcida, ter minhas faculdades mentais, morais, emocionais e espirituais bem sólidas e direcionadas ao meu engrandecimento e ao dos que quero bem. Nunca me deixo levar por ambições. Manter os pés no chão e a mente focada no presente é uma obrigação para quem deseja construir uma realidade saudável para si e para todos os entes queridos. Sonhos, tenho aos montes. Vida, apenas esta. Eles são intrínsecos, mas priorizar o primeiro é abandonar o segundo à própria sorte.

FAB29

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Vegetariano

Resultado de imagem para vegetariano
Dieta ideal
Amigos e amigas.
Há uma década que venho me doutrinando a eliminar de vez a carne da minha dieta. Praticamente já fiz isso com o leite e o pão. Ainda não significa que não ocorram raríssimos momentos em que consuma um laivo de um ou o outro, mas o processo está se mostrando cada vez mais benéfico para minha saúde.

Há muito, parei de ter azias e alergias, coisas absolutamente comuns nos dias atuais devido à alimentação desregrada, industrial e poluída com toda a sorte de químicos. Além do principal (saúde), temos o bem querer aos animais, que passam por tudo o que é crueldade para alimentar seres essencialmente herbívoros (nossa dentição, unhas e estrutura da mandíbula mostram isto). Vejam alguns pontos dessa afirmação aqui.

Os métodos de abate são TODOS cruéis e assustadores. Alguns são covardes, como a obtenção do foie gras, um patê gorduroso provindo do fígado brutalmente dilatado de aves. Se quiserem conhecer, vejam o processo de preparação do animal aqui. É fato consumado que o ser humano não precisa consumir carne para viver bem. Há muitos substitutos para ela, principalmente o ovo. Neste post, poderão conhecer vários motivos para abandonar o consumo de carne.

Finalizo apresentando o 'método kosher' de abate, que é o ápice dessa crueldade. Paul McCartney disse há muito tempo: "Se as paredes dos matadouros fossem de vidro, a humanidade seria vegetariana".
FAB29

ritual judaico de abate (em hebraico: shechita) de animais (às vezes, também, de humanos não-judeus ou gentios), é uma forma cruel de abater animais segundo as leis do judaísmo, para produzir o alimento kosher ou kasher. Consiste na degola do animal sem antes deixa-lo inconsciente, fazendo-o sangrar até a morte, em um método doloroso de abate.
Abate
Para a realização da degola, o animal é encaminhado ao recinto que é utilizado para atordoamento do abate não destinado à produção de carne kasher, expõe uma das patas traseiras em um espaço de abertura, a qual é presa por uma corrente com roldana. O recinto é aberto, permitindo a saída do animal enquanto a corrente é suspensa por um guincho. O animal é baixado até seu dorso tocar o solo, mantendo seu posterior suspenso. Um gancho, na forma de “V” é colocado sobre a mandíbula e o pescoço é tensionado. O shochet (pessoa treinada para realizar o abate) apóia uma das mãos sobre o pescoço do animal, e através de um movimento realizado com a chalaf (faca usada no abate), corta entre o primeiro e o segundo anel da traquéia, a pele, veias jugulares, artérias carótidas, esôfago e traquéia, não podendo encostar o fio da faca nas vértebras cervicais.
Fonte: Metapedia

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Sensação de liberdade

Amigos e amigas.
Entre tantas carências que grassam pela humanidade, a falta de liberdade é uma constante. O "politicamente correto" é imposto a todo instante. Até contar piadas fora do que é "lícito" ao status quo está sujeito à censura e coisas piores.

Li uma notícia recentemente e vi que era necessário passá-la pra frente, num laivo de esperança que começa a brotar nesse negrume ditatorial da "Grande Mídia" e da "Nova Ordem Mundial".


Vejam que interessante! Que ela se alastre!

Durante 102ª Sessão do Comitê dos Direitos Humanos ocorrida em Genebra entre 11 e 29 de julho de 2011, a comissão decidiu claramente que a negação do holocausto pertence ao direito fundamental da humanidade de expressar livremente seu pensamento e não deve ser perseguida criminalmente!

No artigo nº 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, temos o seguinte texto:
“Todo o homem tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras.”

Aqui, não deveria haver mais dúvida quanto a este direito básico do  ser humano. Todavia, diante das inúmeras perseguições contra historiadores, engenheiros, juristas, técnicos, professores e outros pesquisadores do suposto holocausto judeu, a ONU parece ter sido compelida a publicar algumas explicações sobre o artigo 19 em seu mais recente comentário de nº 34, nota 49:

“49 – Leis que penalizam a expressão de opinião sobre fatos históricos [116] são incompatíveis com a obrigação que a Declaração impõe aos países membros em relação ao respeito à liberdade de opinião e de expressão. A Declaração não permite a proibição geral de expressões a respeito de uma opinião errônea ou uma interpretação incorreta de eventos passados. Restrições da liberdade de opinião nunca devem ser impostas e no que diz respeito à liberdade de expressão, não deve ir além do que está previsto no parágrafo 3 ou exigido no artigo 20.”

E quais seriam estes fatos históricos? A menção da nota de rodapé nº 116 não deixa margem para qualquer questionamento.
“Assim denominadas “leis da memória”, veja Faurisson v. França, nº 550/93” [Nota 116 do Comentário Geral nº 34 do comitê dos Direitos Humanos da ONU, 21/07/2011]"

Robert Faurisson é um revisionista histórico que há mais de 40 anos afirma sobre a inexistência das câmaras de gás na 2ª guerra. Ele dizia: "Até 1960, eu acreditei na realidade desses massacres gigantescos nas câmaras de gás." Mas, indignado com a hipocrisia e ganância sionista, que lucrava (e ainda lucra) bilhões com o dito holocausto, até hoje, ele palestra pelo mundo em busca da verdade e justiça históricas.

Podemos duvidar e contestar tudo neste mundo, mas o holocausto da 2ª guerra é tratado como um dogma intocável. Na Europa, é crime contestá-lo. A ditadura velada da "Nova Ordem Mundial" precisa ser exposta. Precisamos ser senhores de nossas vontades e atitudes. Quem permite que um cabresto seja colocado em si, entrega seu direito a um mínimo de autodeterminação no esgoto.

Apesar da brutal, impiedosa e diuturna vigília dos "Senhores da Humanidade" no intuito de manter as massas prontas e dispostas à imolação, trabalhe e execute sua liberdade de ser, agir e pensar! Se ser livre é uma ilusão, ao menos, que nos sintamos.

FAB29