Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

ELETROMAGNETISMO E GRAVIDADE

Amigos e amigas.
O post abaixo é uma compilação adaptada de uns 8 sítios e blogs (incluindo Wikipédia) no qual a gravidade é execrada por uma parte da comunidade científica.

Assim como tantos outros assuntos (aquecimento global, manto terrestre, heliocentrismo, evolução, etc), o assunto me é imensamente curioso e interessante. Por isto, sempre que encontro tópicos exibidos dessa maneira, sinto-me na obrigação de compartilhar.

Vejam que vale, no mínimo, uma cócega no cérebro.
FAB29

Resultado de imagem para gravidade e eletromagnetismo
Núcleo magnético ? Gravitacional ?

A força eletromagnética é um duodecilhão (1.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000) mais forte que a gravidade ou seja: 39 bilhões e bilhões e bilhões de vezes mais forte. A força gravitacional é ‘menos 10 elevado a 13’, ou seja, comparada à força eletromagnética, a força gravitacional é ZERO. Um dos físicos que no passado trabalharam com Immanuel Velikovskian, Dr. Earl Richard Vincent Milton, escreveu um artigo científico onde menciona que a força gravitacional dividida pela força eletromagnética, que é de ‘10 elevado a 39’, é tão fraca quanto zero. A força de atração magnética de um imã de geladeira é maior que toda a força gravitacional da Terra.

A gravidade não é uma carga ou partícula elétrica, não produz eletricidade, não produz campo elétrico, não produz radiação, não é uma onda eletromagnética, não produz um campo magnético, não produz ressonância ou frequência, não é uma força detectada por rádio-frequência, não é uma força que pode ser reproduzida em laboratório e, portanto não existe como força de grandeza em complexas equações da física de partículas. A gravidade é tão nula como força, que sua existência é desprezada na física quântica. Sua presença no quadro de forças elementares da natureza é insignificante, logo sua permanência ocorre apenas por conveniência pseudocientífica.

Isaac Newton criou uma fórmula matemática para a gravidade, mas não sabia explicar exatamente o que era gravidade. Sua fórmula matemática, na verdade, serve apenas para medir a aceleração e o peso de um corpo em queda. Já seu conceito como força é uma piada filosófica. Não é a gravidade que atrai um corpo lançado de um prédio de dez andares. O peso do corpo, sua densidade e a pressão exercida pela atmosfera são forças suficientes para que corpos e objetos estejam em queda. Nem é preciso uma força de atração poderosa como a atração magnética. Basta lembrar que o peso do ar contido na atmosfera da Terra pesa aproximadamente 4,5 bilhões de toneladas.

Esse peso do ar sobre a superfície do planeta produz o efeito que conhecemos como pressão da atmosfera. Quando você está no alto de uma montanha, a pressão da atmosfera é menor. Esta diminuição ocorre porque há menos ar sobre a sua cabeça. Quando nós estamos no nível do mar, a pressão é maior, pois a quantidade de ar sobre nossas cabeças é maior. A pressão ao nível do mar é chamada de “1 atmosfera (1 ata)”. Nosso corpo só não é esmagado pela pressão do ar porque o ar também é feito, essencialmente, de água (70%), o que impede que ele seja comprimido.

Tanto o oxigênio como outros gases da atmo são magnéticos ou diamagnéticos e, portanto estão sendo atraídos ou confinados magneticamente pelo campo magnético da Terra, do Sol e da Lua. Se existe pressão da atmosfera e gases confinados dentro de nossa atmo, é porque a força magnética atrai e confina todos os gases que conhecemos. A suposta gravidade é apenas uma suposta força e, portanto não é um imã, logo, não poderia estar atraindo nada.

A força de atração entre corpos e objetos é o magnetismo. Toda a matéria é composta de átomos. Todo átomo possui uma corrente elétrica e um campo magnético. O magnetismo também está presente no oxigênio, nos minerais, rochas, montanhas, material vulcânico, plantas, árvores e etc. O conceito teórico de gravidade de que um corpo com massa maior atrai outro de menor massa não ocorre pelo fator gravidade. Em nenhum experimento, esta teoria de atração pelas diferentes massas de corpos foi comprovada e, portanto, não faz o menor sentido quando existe a força eletromagnética.

Um corpo denso e maior possui uma massa magnética maior, mas seus átomos não estão alinhados para uma polarização magnética, logo esta atração é muito pequena. Para um imã ser ativo, os átomos precisam estar alinhados na mesma direção. Nos átomos, os elétrons e o núcleo encontram-se sempre em um movimento de rotação. Este movimento de rotação é chamado de spin. Se eles giram em sentidos diferentes, desta forma um movimento compensa o outro e não há magnetismo. Nos ímãs, porém, ambos giram na mesma direção e isso causa o efeito de um intenso campo magnético. Assim sendo, para que corpos com massa maior possam atrair corpos como massas maiores, iguais ou menores, é preciso que haja um alinhamento direcional dos átomos.

A “Lei da Gravitação Universal” diz que massa atrai massa e que, quanto mais afastados estiverem os corpos, menor será a intensidade dessa suposta força. Newton descobriu que "a força de atração gravitacional era inversamente proporcional ao quadrado da distância entre as massas". Em outras palavras, quanto mais afastados estiverem os objetos, menor será à força de atração entre eles. Newton usou basicamente uma lógica primária para explicar uma força de atração gravitacional que jamais foi comprovada ou reproduzida em experimentos.

"Se um indivíduo possui massa, por que não está atraindo outros corpos que também têm massa?". A resposta dada por Newton é que um indivíduo está sim, atraindo outros corpos que estão ao seu redor. Mas, como tem uma massa pequena e os outros corpos também, essa força de atração se torna desprezível. Quando pelo menos um dos corpos tem uma massa considerável, como é o caso do planeta Terra, é possível sentir a força de atração gravitacional.

A gravidade de Newton é essencialmente de atração. Ao contrário da gravidade, a força eletromagnética é uma força de atração e de repulsão. A força eletromagnética repele e atrai, sendo, portanto, uma força mais completa e bilhões de vezes mais forte que a suposta e imaginária força de atração gravitacional.

Imagem relacionada
Muito simples !...
Segundo Newton, a fraca e suposta gravidade da Terra atrai a Lua e outros corpos ao seu redor. Para explicar esta imaginária atração gravitacional é preciso usar à imaginação, uma vez que não há como reproduzi-la em laboratório. Então, imagine que você tem uma pedra na mão e a deixa cair. Ela descreverá uma trajetória vertical e para baixo. Depois, pegue a pedra, lance-a para frente e observe que ela descreverá uma trajetória parabólica, chegando ao solo alguns metros à frente. Agora pense na possibilidade de poder lançá-la cada vez mais longe: o que aconteceria com essa pedra? É natural que ela continue caindo, já que é "atraída pela Terra".

Porém, dependendo da velocidade com que ela é lançada pode ocorrer algo “curioso” (curioso, neste caso, é o mesmo que anticientífico), e "a pedra PODE (???)” entrar em um movimento de "queda eterna", que é conhecido como movimento de órbita. Resumindo, a resposta da explicação para a imaginária gravidade é essa: se a Lua executa um movimento orbital devido à atração que a Terra exerce sobre ela, isso quer dizer que a Lua está em movimento de queda, mas que nunca chegará atingir a Terra.

G não é uma constante como alega a pseudociência. Recentemente, uma comissão de cientistas e pesquisadores australianos e alemães usaram diversos dados coletados nas missões dos ônibus espaciais para criar os “mapas da gravidade” da Terra em alta resolução. Os resultados surpreenderam os cientistas e pesquisadores que obtiveram dados que revelam grandes variações gravitacionais. Segundo os resultados, as variações são até 40% maiores do que se suponha anteriormente. Uma equipe calculou a suposta gravidade em queda livre em três bilhões de pontos, um ponto a cada 200 metros, com objetivo de criar mapas de alta resolução sobre a variação gravitacional.

Os dados indicam que a gravidade mais forte na superfície da Terra fica próxima ao Pólo Norte, enquanto a menor fica no alto dos Andes, mais precisamente na montanha Huascaran. “Uma gravidade variável poderá causar uma revolução na Física, pois comprova que a gravidade não é uma constante e, portanto não permite uma força exponencial sobre a Terra”, afirma o professor de Física Christian Hirt, membro da equipe.

"Se G variar o menor que seja, então, deduzimos que G depende de um novo campo" diz o cosmólogo Tony Padilla, da Universidade de Nottingham, no Reino Unido. “É difícil seguir essa linha em termos experimentais porque a gravidade é uma força muitíssimo fraca - a gravidade da Terra inteira não consegue derrotar a força magnética de um reles ímã de geladeira. Assim, medi-la é muito difícil”, afirma Padilla.

O gravímetro é um instrumento de medição do valor da aceleração de gravidade, o que significa que serve para se determinar a intensidade do campo de gravidade da Terra em um determinado lugar. É um equipamento muito sensível e, segundo os cientistas, muito preciso e adequado para detectar variações muito pequenas no valor da aceleração de gravidade, que reflete, em última instância, as variações de densidade em subsuperfície. O gravímetro possui ferro em sua composição, logo sofre algum tipo de interferência magnética, geralmente quando aplicado sobre superfícies onde pode haver grande quantidade de ferro, manganês, níquel, cobre ou material vulcânico.

Quando os cientistas observam em uma dada região, um valor de aceleração de gravidade diferente do que o previsto por um modelo teórico, a pseudociência diz que ali existe uma anomalia gravimétrica. Isso significa que as rochas daquela região apresentam uma densidade diferente daquela que é a média esperada pelo modelo. Podemos estar, por exemplo, sobre uma jazida de minério de ferro, que apresenta densidade superior à densidade média das rochas da superfície. Ou sobre um domo salino, que tem uma baixa densidade em comparação com as rochas.

A gravidade é tão inconsistente na Física que recentemente um físico holandês, Eric Verlinde, de 48 anos, um respeitado especialista na teoria das cordas e um professor de Física do Instituto de Física Teórica da Universidade de Amsterdam, propôs uma nova teoria para a suposta gravidade, conforme relatado pelo New York Times, em 12 de julho de 2010. Segundo o físico, a gravidade não existe e vem sendo usada pela ciência dogmática como uma ferramenta puramente ideológica, política, financeira e partidária.

Verlinde argumentou num artigo recente, intitulado “Sobre a origem da gravidade e as Leis de Newton”, que a gravidade é uma consequência das leis da termodinâmica. Invertendo a lógica de 300 anos de ciência, sua afirmação é que a gravidade é uma ilusão que causou tumulto contínuo entre os físicos ou pelo menos entre aqueles que professam entendê-la. A pesquisa sobre o universo na ciência moderna baseia-se essencialmente na teoria da gravidade. Se a gravidade não existe, então nossa compreensão da estrutura da galáxia e do universo pode estar totalmente errada.

Pode ser por isso que os astrônomos frequentemente têm dificuldade para explicar o movimento gravitacional dos corpos celestes distantes e têm de introduzir o conceito de “matéria escura” para ajudar a equilibrar as equações. Uma nova teoria poderia lançar luz sobre algumas das questões cósmicas incômodas que astrofísicos e matemáticos encontram, como a energia escura, uma espécie de ‘antigravidade’ que parece estar acelerando a expansão do universo, ou a matéria escura, que supostamente é necessária para manter as galáxias juntas. Isso pode estimular cientistas a buscarem uma nova compreensão do universo.

Sabemos há muito tempo que a gravidade não existe”, disse Dr. Verlinde, “É hora de gritarmos sobre isso.”