Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Mais gravidade

Amigos e amigas.
Neste segundo post em sequência sobre a Gravidade, compartilho mais um apanhado de informações e opiniões sobre ela. São dúvidas que existem e pairam sobre ela sem que se consiga dirimi-las (pelo menos, boa parte delas).

O único objetivo de postagens assim é suscitar as necessárias contestação e reais pesquisas para que as tergiversações sejam obliteradas de vez. O post abaixo mistura ceticismo, ironia, dados e experiências, tentando demonstrar o quanto a enganação do status quo é gritante.
FAB29

Imagem relacionada
"José Newton já dizia: 'Se subiu, tem que descer!'"
Gravidade é uma força fictícia criada por um ocultista, o maçom Isaac Newton, para tentar justificar todas as incongruentes alegações de um fajuto modelo cosmológico, o Heliocentrismo.
Gravidade é a desculpa perfeita para todo e qualquer questionamento pertinente que seja feito, a panacéia dos apascentados que regurgitam de forma passiva, inquestionável e automática tudo aquilo que foram doutrinados a crer.
1) Por que a Terra é uma 'esfera/oblato/geóide/formato de pêra/bola'?
RESPOSTA : Gravidade.
2) Porque a Terra gira?
RESPOSTA : Gravidade.
3) Por que a Terra não se choca contra o Sol e a Lua contra a Terra ?
RESPOSTA : Gravidade.
4) Por que a Lua é capaz de causar marés na Terra, através da alegada 'atração gravitacional' por ela gerada, literalmente puxando quintilhões de metros cúbicos de água, e apenas e tão somente a água de oceanos (águas de lagos, piscinas, represas, etc... são seletivamente descartadas), onde NADA MAIS sofre 'atração gravitacional' da Lua, nem areia em desertos, nem carros, nem árvores, nem pessoas, nem barcos, nem águas de piscinas, caixas d'água, represas, etc...!?
RESPOSTA : Gravidade.
5) Por que e como corpos mantêm-se grudados em uma esfera que afirma-se estar viajando a pelo menos três velocidades Supersônicas vetoriais distintas ao longo de um espaço sideral ?
RESPOSTA : Gravidade.
6) Por que o Universo se auto-criou a partir do NADA ( O QUE É SIMPLESMENTE UMA IMPOSSIBILIDADE CIENTÍFICA) ?
RESPOSTA : Gravidade. ("Como existe uma lei como a da gravidade, o universo pode e vai criar a si mesmo." - Stephen Hawking)
7) Por que todos os 'Planetas', Estrelas, 'Asteróides' e 'Satélites naturais' são esféricos e as galáxias, paradoxalmente, são demonstradas como planificadas ?
RESPOSTA : Gravidade.
Gravidade é um EMBUSTE que, quando tem suas proposições analisadas por questionamentos minimamente pertinentes, demonstra-se ser algo extremamente grotesco e até mesmo patético, tanto do ponto de vista teórico quanto, sobretudo, prático, ao qual tal teoria JAMAIS se valeu.
Alega-se que 'quanto maior a massa, maior será a atração gravitacional'...
O experimento realizado em uma câmara de vácuo onde soltou-se penas e uma bola de boliche é uma prova da inexistência, e não da existência, da Gravidade. [No vídeo abaixo, a 1:45 min., uma curiosidade. O "legendador" coloca: "A terra plana se f#%$& !!" enquanto o técnico diz que elas caíram exatamente ao mesmo tempo].
Se a Gravidade de fato existisse, a bola de boliche, por possuir maior massa, deveria ser mais fortemente atraída pela 'atração gravitacional' gerada pela Terra, mas isso não ocorre; ambos os objetos, tanto a pena quanto a bola de boliche, caem à mesma velocidade, em queda livre, como era de se esperar no mundo físico real, onde a gravidade é um conto de fadas criado para iludir incautos.
Nosso mundo físico é determinado em uma disposição vertical, onde conceitos espaciais são absolutos e não relativos, por princípios/propriedades físicas como Flutuabilidade, Densidade, Energia Eletroestática e Eletromagnetismo, todos atestáveis, mensuráveis e reproduzíveis, como manda o método científico, método este INDISPENSÁVEL à verdadeira Ciência.
Corpos mais densos que o meio, no caso o ar, irão cair, corpos com densidade equivalente irão flutuar e corpos com densidade menor do que o meio irão subir, através da ação da força flutuante (Princípio de Arquimedes). É por isso que nuvens, mesmo possuindo exorbitantes massas, flutuam e quando a água presente nas mesmas se condensa, elas caem em forma de gotas (tensão superficial da água) por apresentarem neste momento densidade maior do que a densidade do meio (ar).
Alega-se que o 'Experimento de Cavendish' seja uma prova da existência da gravidade; porém, nada poderia estar tão longe da verdade. O experimento de Cavendish, realizado em 1797–1798 por Henry Cavendish, teve como objetivo determinar o valor da densidade da Terra e que alegadamente ajudou a obter a 'constante G' (o menor e menos preciso número que se atribui como uma 'Constante Universal') e a 'Massa' da Terra. Os resultados de seu experimento foram publicados no “Philosophical Transactions of the Royal Society” em 1798. A Royal Society é uma instituição maçônica travestida de 'Acadêmica'.
O experimento tratou-se de um dispositivo no qual uma balança de torção feita de um bastão de madeira com dois metros de comprimento (1,8 m) suspenso por um fio e, a cada extremidade, foi colocada uma esfera de chumbo com um diâmetro de 2 polegadas (51 mm) e peso de £ 1,61 (0,73 kg). Próximo a cada esfera, foram posicionadas duas bolas de chumbo de 12 polegadas (300 mm) e 348 libras (158 kg), a uma distância cerca de 9 polegadas (230 mm), e prendido no lugar com um sistema de suspensão independente. O experimento permitiria, supostamente, medir a 'atração gravitacional' entre as esferas pequenas e as maiores.
O experimento não levou em conta preceitos científicos para garantir a isonomia dos resultados. Primeiro porque o chumbo é um substância diamagnética. Todo material diamagnético quando é submetido a um campo magnético externo (no caso, o campo magnético terrestre) apresentará um momento dipolar magnético que será orientado no sentido oposto ao do campo magnético externo. Só este fato já colocaria o Experimento de Cavendish totalmente em xeque.
Não obstante a isto, a balança de torção de Cavendish fora 'isolada' a partir de um sistema fechado para 'impedir' variações causadas por ventos e outras influências externas que pudessem alterar o resultado. O ponto em questão é que a tentativa de medição de uma suposta 'força gravitacional' fraca entre esferas de chumbos não levou em conta a influência da própria massa das paredes e de toda a estrutura da 'câmara' que fora usada para tentar 'isolar' o sistema, algo que fere de forma absoluta os princípios do método científico idôneo para validar uma tese/suposição.
C.V. Boyz, o último a supostamente realizar a confirmação e extensão histórica do Experimento de Cavendish afirmou o seguinte em um escrito à Royal Society, em 1889 :
"Tal como 'provou' Cavendish, as correntes de ar provocadas pela diferença de temperaturas dentro da caixa teriam enormes efeitos."
Uma declaração, sem dúvida alguma, deveras reveladora.
As refutações ao Experimento de Cavendish, que foram publicadas por inúmeros periódicos científicos à época e posteriormente são, intencionalmente, suprimidas, sendo praticamente impossíveis de serem achadas na internet. Por exemplo, temos a crítica ao Experimento de Cavendish feita pelo Prof. da Universidade da Califórnia, S. J. Barnett, em 1902, que foi simplesmente eliminada recentemente pela Universidade de Harvard. O mesmo acontecendo com artigos científicos publicados na internet desta Universidade, como o de P.V. Moore, escrito em 1994, o de J. K. Hoskins, escrito em 1981 e o de Jean Sivardiere, escrito em 1997.
Não existe NENHUM experimento científico idôneo que comprove a existência da Gravidade; NENHUM experimento científico legítimo que consiga provar que corpos atraiam corpos em razão de suas massas. NENHUM. O fato da teoria da Gravidade ser tida como um 'fato científico' e a Gravidade ser tida como uma das '4 forças fundamentais da Natureza' deve-se principalmente a dois motivos :
- Instituição proposital, e perfidamente arquitetada, pelo Sistema, via Royal Society, de que a Gravidade seja um 'consenso científico incontestável', o que determinou a posterior imposição de aprendizado em instituições de ensino programático, que são inquestionavelmente doutrinários e regulados pelo Sistema, via Estado e suas agências/instituições.
- O apascentamento coletivo gerado pela doutrinação recebida em instituições de ensino programático e toda a programação mental instituída progressivamente através de fomento gerado por reportagens televisivas, documentários e postulados pseudo-científicos propostos recorrentemente para tentar legitimar o embuste gravitacional, sem o qual o fajuto modelo Heliocêntrico, que já não se sustenta na prática, não se firma nem mesmo teoricamente.