Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


terça-feira, 16 de abril de 2019

Presente aziago

Amigos e amigas.

Sempre que assisto a reportagens sobre as periferias, principalmente as dos 3º e 4º mundos, tantas indagações me vêm à cabeça, além de sentimentos antípodas que vão da comiseração à revolta.


Eu me imagino parado no "ponto médio entre as classes sociais". Olho para um lado e vejo uma pequena quantidade de pessoas nadando na opulência e mordomias, ignorando olímpica e soberbamente todo o resto. Olho pro lado oposto e vejo um verdadeiro oceano de miseráveis se acotovelando no meio do lixo, lutando por migalhas mofadas do banquete dos bilionários e olhando com desespero e inveja além do quase inexpugnável abismo que os separa das benesses do mundo.

Passando por mim, há muitos tubos: alguns descarregam tudo o que já foi usado pelos "Altos" no fosso onde chafurdam os "Baixos". Outros tubos estão conectados a máquinas que funcionam à base do trabalho escravo da massa desvalida e sugam suas forças impiedosa e constantemente. Onde estou, há uma grande quantidade de pessoas que tem condições de se sustentar, ainda que a duras penas; outras, com mais tranquilidade. A maioria delas tenta como pode sair desse limbo, acossada pela imensa turba de miseráveis e desprezada pela "nata" da sociedade. Nessa situação, esses "Médios" vivem a escorchante dicotomia de se apiedar dos decrépitos e almejar o topo. Meu estômago embrulha.


Já na realidade, observo aquela notória e inacreditável quantidade de barracos equilibrados em palafitas, ou na encosta de morros, ou à beira de córregos poluídos, totalmente vulneráveis a desastres e intempéries. A quantidade de pessoas por barraco é espantosa; a situação do saneamento e da qualidade das construções é alarmante; é criminoso ver a quantidade de crianças brincando nos únicos e pútridos lugares de que dispõem, expostas às degenerescências (de doenças à violência) que o mundo possui. A violência é um rastro de pólvora que passa por quase todos os lugares, só esperando uma fagulha para se detonar. A miríade de sentimentos que se misturam nos olhares, gestos, falas, risos, choros e lamentos é tão densa que assusta, oprime e, às vezes, até causa repulsa a quem quer que passe por ali. Mas seus habitantes parecem sedados a tudo isso; arrastam suas vidas povoadas de problemas constantes, esperanças baldadas, traumas encruados e sonhos. Apenas sonhos. Meu estômago azeda.

Em contraste, vejo, escuto e assisto a tanta orgia em todos os sentidos: corrupções, desvios de dinheiro, assaltos, desperdícios, ostentação, soberba, sodomia, pornografia, pedofilia,... Tudo fazendo girar a Roda da Fortuna em favor de uma casta de "eleitos privilegiados", pessoas medíocres que são alçadas à notoriedade, ao glamour, aos holofotes. Extasiadas e embriagadas com tanta atenção e fartura, essas bizarras criaturas recicladas, produzidas, pasteurizadas e nos imputadas por uma mídia a serviço do "Poder das Sombras" são o 'front' da guerra que esse "Poder" fomenta contra a sanidade das massas. Sempre que nos deparamos com toda a pantomima pantagruélica dessa estirpe torpe através dessa mídia vendida, sentimo-nos cada vez mais alijados de tudo o que existe de saudável em todos os sentidos, principalmente no espiritual. Este massacre mental e imoral tem a sórdida intenção de assim dizer: "Vejam todas as possibilidades que existem. Eles conseguiram. E você? O que está esperando? O que você está disposto a fazer ou vender para ter tudo isso?" Proporcionalmente ao que você oferece, eles o avaliam e "abrem o espaço que você vale" ou equivalente ao lucro que sua 'alma entregue' pode auferir a eles. Meu estômago revira.



E nós, pobres seres que crêem possuir certo discernimento e consciência, nos vemos cada vez mais enredados nessa teia de horrores, contando com a sorte e a Providência Divina para nos mantermos vivos e bem. Através do suor do nosso trabalho, conseguimos minimamente nos sustentar; com a boa educação que recebemos de quem amamos, mantemos viva a chama da união e do bem querer; nos valendo de nossos instintos e experiência adquirida, criamos um nicho de conforto para nossos queridos, uma fonte de luz aos que buscam uma orientação e um exemplo de civilidade e humanismo à grosseria, mau humor e ranços que exalam de cada mentalidade deturpada por toda essa sanha há tanto cevada no seio da humanidade.

Vemos e sentimos este rancor na falta de gentileza no trânsito, na impaciência no comércio, nas picuinhas no trabalho, na falsidade nos entretenimentos, no desamor no lar, em cada recôndito. É uma panela de pressão que precisa que sua válvula de escape não entupa ou estrague. O mais correto seria apagarmos o fogo que a faz ferver, fogo este que foi ateado e é constantemente alimentado pelo "Poder das Sombras" e seus asseclas, aqueles agentes insidiosos que se vestem de cordiais transeuntes, colocam uma máscara para cada situação e se utilizam de palavras bem ensaiadas para qualquer ocasião. Se houver medo, eles se fingem protetores; se houver revolta, eles se mostram apoiadores; se houver certeza, eles a minam tacitamente; se houver dúvida, eles a alimentam, tergiversando; se houver perigo a seus donos, eles procuram demover o recalcitrante de suas intenções, usando desde evasivas até ameaças. Assim, procuram garantir suas posições de escudeiros dos "hómi" e capatazes da plebe. Meu estômago trava.


Com tudo isso, como é possível continuarmos a ser tão cordatos e cordeiros? Que passividade atroz tomou conta das pessoas? Esse comodismo já virou doença crônica? A alienação chegou ao ponto de anestesiar mente e coração do povinho? A ilusão chamada 'democracia' conseguiu 'doutrinar' a maioria a crer que sua função social é votar e o resto, "deixa com eles"? Ainda crêem que ela é a melhor forma de governo e nos proverá de tudo o que necessitarmos? Culpar o poder público por tudo, mas não mover um dedo para mudar o status quo pode ser classificado de quê? Até quando a miserabilidade cultivada que toma conta da essência da humanidade vai perdurar? Até quando suportaremos? Se uma revolta mundial eclodir, quantos sobreviverão, como estarão e qual será o legado que herdarão desta "Era de Hipocrisia"?

Confesso não ter estômago nem para imaginar as respostas.
FAB29