Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 24 de junho de 2019

Liberdade vigiada

Amigos e amigas.
O texto a seguir é uma tradução livre que fiz de um vídeo que parece ter sido deletado do youtube. Mostra o quanto é hipócrita a liberdade que os donos do mundo permitem ao povinho. Creio ter conseguido recuperá-lo e postá-lo no fim deste.

Nesse vídeo, enquanto Djamel Bouras critica as charges ofensivas feitas com Maomé e o apresentador responde que "Aqui é a França. Temos liberdade de expressão", o comediante francês Dieudonnè é cobrado severamente por esse mesmo apresentador devido a uma crítica/paródia/sarro que fez a um judeu.

Vê-se que é mais uma prova de quem manda e que não aceita um A contra si.
FAB29

DEBATE NA FRANÇA SOBRE LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

(Um senhor) - Vivemos num mundo onde podemos criticar e ridicularizar. Você sabe: ridicularizamos nada e tudo. O fato de podermos fazer isto é satisfatório para mim. Porque significa que temos liberdade.
(Djamel Bouras) - Temos que ser um pouco sábios e não cairmos nesses tipos de provocações [Cartuns contra Maomé].
(Apresentador) - Mas se tivermos que evitar desenhar cartuns de seu profeta por causa da sensibilidade dos Muslims, isto se torna uma forma de autocensura.
(Djamel) - Para mim, liberdade de expressão e respeito ao próximo andam de mãos dadas. Eu sou pela liberdade de expressão, mas por que exercê-la magoando os outros?
(Apresentador) - Permita-me: eu faço uma caricatura de Maomé, Jesus ou de um rabino. Eu teria o direito de fazer isso, entende? Isto é a França!
(Djamel) - Quando você sabe que vai insultar milhões de pessoas, por que fazê-lo?
(Apresentador) - Tem a ver com liberdade. É disto que se trata.

O MESMO JORNALISTA ENTREVISTANDO DIEUDONNÈ, UM COMEDIANTE QUE BRINCOU IMITANDO UM JUDEU ORTODOXO:

(Apresentador) - Você não acha que deveria se desculpar pelo seu ato? Deveria dizer: “Sinto muito! Não foi engraçado! Desculpe ter ferido seus sentimentos! Fui estúpido!
(Dieudonnè) - É parte do meu trabalho. A comédia que faço tem que ter esses pequenos limites.
(Apresentador) - Não posso entendê-lo! Estou chocado! Acho sua atitude indesculpável!
(Dieudonnè) - Vivemos num país onde podemos nos expressar livremente. Por que você é contra?
(Apresentador) - Vou lhe dizer por que você não tem o direito de se expressar livremente: é por causa do holocausto! Eis por que sua comédia causa um pequeno problema.
(Dieudonnè) - Mas por 400 anos, nós também tivemos 100 milhões de negros escravizados, mas isso não impediu de fazermos comédia com os tipos negros. Podemos ver o comediante stand up Michelle Led vestido de macaco, com olhos de vidro, como um negro. Ninguém o parou ou o criticou. Ele é até saudado como um herói.
(Apresentador) - Para alguém que teve toda a sua família exterminada em campos de concentração e vê alguém na TV dizendo “ISRA-HEIL!”. Você percebe a severidade da situação? Não sei se é capaz! (...) Há muitas situações onde dizemos para conhecidos: “Nós não poderemos tê-lo no programa; não é mais possível" Como Lanceral, que nunca será convidado a este programa. Por causa do que ele disse, não podemos mais convidá-lo para este programa. Você imagina o quão sério foi o que você disse?
(Dieudonnè) - Acho difícil de acreditar. Eu era apto a fazer comédia com qualquer grupo de pessoas. Faço uma piada com um israelense e, de repente, vira histeria.
(Apresentador) - Pra dizer a verdade, eu o acho um excelente comediante. Você é muito engraçado, talentoso, mas lamento informá-lo que esta é a última vez que você é convidado a este programa.
(Dieudonnè) - Se eu nunca mais for convidado, que seja. Tenho uma dignidade e uma consciência que não posso violar.
(Apresentador) - Você está pronto para admitir? Que desculpa você está pronto para fazer?

RESUMINDO... (DAQUI, INICIA-SE UMA COMPARAÇÃO DOS DOIS PROGRAMAS, MOSTRANDO O CLARO CASO DE “DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS”: AS CARICATURAS DE MAOMÉ CONTRA AS PIADAS SOBRE JUDEUS. NO PRIMEIRO CASO, DIREITO DE SE EXPRESSAR; NO SEGUNDO, UM CRIME, UMA CRUELDADE.) 
NO FINAL DESTA PARTE, HÁ UM OUTRO PRISMA DO DIÁLOGO ENTRE DIEUDONNÈ E O APRESENTADOR:
[Dieudonnè - "Eu não entendo por que você é contra a liberdade de expressão." Apresentador - "Você sabe bem por que não temos esse tipo de liberdade de expressão! (...) Você percebe a gravidade do que você disse? Acho sua atitude indesculpável, chocante! E você nunca mais será novamente convidado a este programa pelo que você disse."]

(Djamel) - Tem de haver igual liberdade para todos!
(Apresentador) - O que quer dizer?
(Djamel) - Liberdade a todos! Uma pessoa como Dieudonnè, que fez duas piadas de judeus e foi banido. Sua carreira acabou e ele é um bom comediante! Nós temos aprovado muitas leis contra o antissemitismo. Sugiro fazer uma contra a islamofobia.