Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Decepções e vislumbres

Amigos e amigas.
Neste Brasil (é claro que no mundo também), ocorrem tantas coisas insólitas, burlescas, patéticas, dantescas, hipócritas,...! Em TODAS ELAS, a principal (talvez única) vítima é o povo escravo hospedeiro. Ele (estupidamente) sofre, suporta, sustenta, pensa em reclamar, aceita, paga por tudo, se exaspera, se mata de trabalhar,... essencialmente CALADO, como é do feitio de belos comodistas alienados e bem ao gosto de seus feitores. Somente quando a coisa extrapola o dobro do seu limite, ele reage explosivamente, causando muitos danos A SI MESMO, não afetando quem o parasita.

A reação mais comum é a depredação do patrimônio público ou de utilidades públicas, como ônibus e metrô. Há, também, as greves, que paralisam escolas, hospitais, trânsito, atrasando de sobremaneira a vida funcional das cidades. Daí, mais e mais prejuízos e transtornos que o povo causa a si mesmo, num efeito dominó. É uma teia urdida (falei dela aqui) lentamente há mais de século da qual só se consegue sair se isolando completamente dessa triste sociedade.

Outro exemplo, lembram-se daquele requinte de deboche inventado pelos belos degenerados encarregados de (des)governar, legislar e julgar que foi proibir as sacolinhas plásticas no comércio (hoje em dia, a guerra é contra os canudinhos), com a explicação esfarrapada de que "é necessário contribuir com a despoluição do planeta" ?

Resultado de imagem para sacolinhas plásticas poluiçaõ


Escrevi "ESFARRAPADA" pelo simples motivo que, sendo o plástico das sacolinhas nocivo ao meio ambiente, TODOS OS SIMILARES também o são: as garrafas PET, as caixinhas de leite longa vida, os maços de cigarro (e as bitucas), os copinhos de iogurte, as fraldas descartáveis, os "modess" e "OBs" da vida, etc.

E eu pergunto: QUEM VAI PROIBIR a Coca-cola, a Parmalat, a Philip Morris, a Danone, a Procter & Gamble, etc, de continuar produzindo e comercializando seus produtos 'poluidores'? Ou, ao menos, convencê-las a encontrar 'alternativas ecológicas', a despeito dos bilhões de dólares necessários para pesquisas e produção de recipientes biodegradáveis? Nem em sonhos ou pesadelos. Tudo é o poveco que tem de arcar com.

Tais atitudes (escárnios) desses "aspones" que controlam (o certo é DESCONTROLAM) a vida pública existem advindas da passividade humana, uma das maiores decepções que me assolam. É escancarado que isso e tudo o mais de ruim e nocivo para a humanidade é financiado pelos grandes parasitas corruptores (e eles não se furtam em tripudiar), que precisam manter sua boiada sob máximo controle, com a canga bem apertada e a rédea curta. Quanto menos estudo, informação, paz, liberdade, união, conhecimento e saúde, mais fácil de lidar com as massas 'zumbizadas'.

A última coisa que quero na vida é precisar pegar em armas (mas jamais hesitaria em fazê-lo). Por isso, há a urgência de uma "SILENCIOSA GUERRA CIVIL" para mudar as bases da idiossincrasia apodrecida do povo. A desobediência civil (recusar-se a votar, por exemplo) também seria excelente para reforçar a e o moral da sociedade.

Se bem que o primeiro passo seria investir na união. Aquela verdadeira, porém, já desgastada e quase bufa frase, "O POVO UNIDO JAMAIS SERÁ VENCIDO!" é a síntese dessa necessidade premente. Dentro dessa união, facilmente brotariam a confiança, o bem querer e o progresso. Daí, tudo se tornaria mais simples e a evolução seria patente e inexorável. E o melhor de tudo: a dependência de um poder central sumiria em pouquíssimo tempo. Nem presidente, governador, rei, tirano,... Apenas e tão somente líderes de fato e de mérito.

As chances disso ocorrer são infinitesimais, mas eu creio (e sempre crerei até meu fim) que é possível. Porém, a guerra contra esse estado de coisas seria a mais longa da História, e, certamente, seria a mais doce e retumbante vitória do ser humano. Apesar de todos os pesares, consigo vislumbrar tal mundo.

Sonhar é "de grátis".
FAB29