Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

Revisitando covardias

Amigos e amigas.
Gostaria de começar o ano revisitando alguns posts. Este é da época em que a imigração em massa para a Europa estava à toda força e ele mostra como o estado de israel "colaborou" com essa invasão.

Achei por bem relembrar as atitudes da agenda da NOM porque me parece que ela está sendo acelerada em todos os seus tópicos e, a partir deste ano, seus reflexos serão sentidos brutalmente no povinho, essa massa oligofrênica cuja maior pobreza é moral.
FAB29

30674israel-sweden
Varrendo o lixo.

O Ministério do Interior israelense afirmou ter exportado inúmeros imigrantes não-brancos para a Suécia, pagando diretamente a cada imigrante 3.500 dólares para que deixassem Israel. Os imigrantes partiram de Israel com a condição de que não voltassem para o Estado judeu, mas ficassem de vez na Suécia nórdica.

Os imigrantes foram então colocados em vôos em massa para Suécia. Isso provavelmente é o que já ocorre ao longo de décadas, embora só recentemente tenha sido exposto através de uma falha de propaganda em nome do Haaretz, que permitiu o vazamento da história. Tem sido conhecido há décadas - se não há um século - o fato de que a supremacia judaica tem procurado usar imigrantes não-brancos para quebrar a solidariedade racial e a homogeneidade racial das melhores nações europeias.

A própria Israel (além de inúmeros ativistas judeus) está atualmente enviando imigrantes não-brancos a nações europeias para serem usados como blocos de voto, tropas de choque para revoluções culturais e armas genéticas de degradação em massa contra todas as nações europeias majoritárias, utilizando-os para destruir duas nações brancas agora, a saber: Rodésia e África do Sul.

Um porta-voz judeu do ministério do Interior israelense disse que:
"Em 2013, 2.612 imigrantes da África deixaram Israel como parte deste processo de saída voluntária. Desses, 1.955 eram da Eritréia e do Sudão".

A maioria desses imigrantes não-brancos teriam QIs genéticos variando na gama baixa de 60-80, com uma alta predisposição a ter famílias acima de 5-7 crianças, além de muitas vezes recorrerem a atividades criminosas, como o contrabando de drogas ou prostituição, além de viverem da Previdência.

Estima-se no Reino Unido que mais de 75% de mulheres não-brancas estão desempregadas. Este número é, provavelmente, semelhante, (se não maior) na Suécia, destruindo o argumento de que a imigração não-branca tem seus apregoados “benefícios econômicos”.

Muitos dos eritreus exportados de Israel para a Suécia, neste caso, são mulheres ex-prostitutas e as autodeclaradas 'vítimas de perseguição', tornando-os propensos a continuar tal estilo de vida na Suécia. Israel está, literalmente, exportando os criminosos não-brancos (usuários de drogas, prostitutas) para a Suécia, o que é um ataque óbvio à demografia da Suécia e, ao mesmo tempo, uma ação de autosserviço em nome do estado supremacista judaico.

A epidemia de crimes causada por esses imigrantes não-brancos na Suécia é cultural e economicamente paralisante. [...] A principal função dos supremacistas judaicos que estão realizando a destruição de nossas nações e povos não poderia ser mais óbvia. A influência de Hollywood é menos óbvia do que isso; temos um caso do Estado de Israel que autoriza diretamente a exportação de não-brancos para a Suécia.

Apenas nos primeiros sete meses de 2013, mais de 1.000 mulheres suecas relataram ter sido estupradas por imigrantes não-brancos, muçulmanos em primeiro lugar (uma religião semita como o judaísmo e o cristianismo, em última instância) na capital Estocolmo apenas. O número é colossal sobre a Suécia como um todo. Mais de 300 daqueles relatados em Estocolmo eram de meninas com idade inferior a 15. Felizmente, nenhum desses estupros resultou em gestações e contraceptivos tem racialmente um papel benéfico em desdobramento como uma solução pós-estupro. Mulheres suecas se encontram em uma situação em que o governo não faz nada e cabe ao povo criar resistência.

Estes números de estupros causados por imigrantes não-brancos, principalmente somalis e outros africanos e asiáticos, são apenas a ponta do iceberg. De acordo com as autoridades, as estatísticas de estupro reais na Suécia são 400-900% maiores do que os números oficiais.

Do site estatal B.R.Â."Menos de 10-20 por cento de todos os crimes sexuais são denunciados à polícia ."

Israel tem dado o equivalente a 3.500 dólares para cada imigrante deixar Israel e ir para a Suécia por vários anos, onde estes imigrantes não-brancos passam a incorrer em custos negativos para a Suécia equivalente a cerca de 438.000 libras cada, de acordo com a comparação norueguesa (a melhor comparação disponível).

Israel deveria pagar à Suécia £ 438.000 por imigrante, e na verdade deveria estar pagando por toda a imigração não-branca causada por lobistas e ativistas judeus, que são, na realidade, manipuladores genocidas em tudo, menos no nome.

O Estado judeu e a estrutura de poder deveria, de fato, estar moral e militarmente em dívida para com os brancos para a eternidade por seus crimes demográficos contra os europeus. Na realidade, suprema ironia e arrogância, Israel recebe ajuda do Ocidente, que eles usam para ajudar a manter suas fronteiras estaduais à prova de imigrante.

Os judeus exigem testes de ADN para imigrantes de longa duração que vão a Israel (para verificar se eles são judeus), enquanto a Comissão Europeia - de acordo com o lobby do Congresso Judaico Europeu e ao chefe da migração judaica da ONU - abertamente declarou seu objetivo de "minar a homogeneidade da Europa." A inspirada política judaica vai além, com a imposição de punições Orwellianas e lavagem cerebral em jovens que mostram sinais de "intolerância", em conformidade com a legislação que está sendo empurrada agora através da UE por Moshe Kantor, o EJP e o Congresso Judaico Europeu.

Paideia, um grupo de lobby judaico promovendo propaganda anti-Sueca, imigração em massa e "integração" (leia-se: o extermínio de pessoas brancas) defende abertamente o genocídio eficaz, reduzindo os Estados europeus para os estados multi-étnicos medíocres, envoltos em distúrbios civis e guerras. "Multiculturalismo" nada mais é do que um disfarce sob o qual a supremacia judaica se permite a cobertura de propaganda necessária para promover e trabalhar no sentido de exterminar os europeus.

Cada vez que um ativista judeu usa termos como multiculturalismo, tolerância, integração, sociedade pluralista - pode ter 100% de certeza de que tudo o que eles querem dizer é: o que for preciso para destruir a Europa e os europeus.


Adendo: grupos judaicos aconselharam o governo grego a prender a Golden Dawn, como já foi documentado, por defender os interesses raciais dos europeus, o que ocorreu posteriormente. Os líderes da Golden Dawn ainda estão na prisão hoje, enquanto o Estado de Israel está buscando a sua própria agenda racial, enquanto cospe simultaneamente nas nações europeias e se engajam em subversão, usando sua população dispersa.

"Eu acho que há um ressurgimento do anti-semitismo, porque neste momento a Europa ainda não aprendeu como ser multicultural, e eu acho que nós vamos fazer parte da agonia daquela transformação que deve acontecer.
A Europa não vai ser as sociedades monolíticas [sic] que já foram uma vez no século passado. Judeus vão estar no centro disso. É uma grande transformação para a Europa fazer.
Eles estão indo agora para um modo multicultural, e os judeus ficarão ressentidos, por causa do nosso papel de liderança". Barbara Spectre, chefe da organização judaica propaganda judaica: Paideia

Nenhuma mente racional poderia explicar tal comportamento judeu como hipocrisia ou meros padrões duplos; é muito, muito pior do que isso. A partir de sua perspectiva, não há hipocrisia, e eles pensam que a sua agenda é a mais moral. Na realidade, é uma coerente cadeia de políticas, ideologias e pessoas manipuladoras que trabalham para a destruição de nós, europeus do norte, como seu objetivo mais alto e mais fanaticamente conduzido.

Estes ataques contra as nossas nações devem ser publicitados, combatidos, aniquilados e, em seguida, invertidos, e não apenas por causa de uma motivação moral ou ética filosoficamente para salvar nossas nações, mas porque eles devem ser interrompidos para a nossa sobrevivência, que é a expressão máxima da moralidade. O público em geral precisa saber disso; eles são a maioria do nosso povo, e para o futuro, goste ou não, depende de sua iluminação à sua própria situação. Felizmente, a opinião pública está crescendo contra o Estado judeu e as promoções judaicas e as decretadas imigrações em massa em taxas colossais.